ASSINE

Loteamento: não deixe o sonho virar pesadelo

Maioria dos municípios possui regras para esses empreendimentos, mas que nem sempre são respeitadas e, por falta de estrutura, o poder público não consegue fiscalizar

Publicado em 16/08/2018 às 17h39
Espírito Santo tem várias loteadoras sérias, que entregam o que prometem. Crédito: Divulgação
Espírito Santo tem várias loteadoras sérias, que entregam o que prometem. Crédito: Divulgação

Gustavo Barbeitos*

A TV Gazeta fez recentemente uma longa matéria sobre o caso do bairro Movelar, em Linhares, Norte do Estado, que estava sem iluminação pública. Em resumo, a reportagem procurou a concessionária, que passou a responsabilidade para a prefeitura, que informou que parte das casas está num loteamento irregular e, por isso, não poderia fazer nada. E o sonho de centenas de pessoas virou um pesadelo.

Num passado não muito distante, não eram raros os casos de consumidores que adquiriam seus imóveis “na planta” e os sonhos ficaram apenas no papel ou, no máximo, no concreto. Não se tornou a tão sonhada casa própria. O mercado da construção civil vertical evoluiu a passos largos e, atualmente, há uma segurança muito maior. Principalmente nos grandes centros.

A maioria dos municípios possui um Plano Diretor Municipal (PDM) que institui regras para esses empreendimentos, mas que nem sempre são respeitadas e, por falta de estrutura, o poder público não consegue fiscalizar

Porém, outro segmento do mercado imobiliário que vem ganhando espaço, sobretudo no interior, onde existem mais áreas disponíveis e a verticalização ainda não é uma realidade, é o de loteamentos. E se por um lado os loteamentos são uma porta para o crescimento planejado e organizado das cidades, por outro abrem portas para aventureiros e oportunistas. Afinal, basta um pasto e um trator para abrir as ruas entre as “quadras” e fazer o acesso à via mais próxima. E o sonho das pessoas vira pesadelo.

A maioria dos municípios possui um Plano Diretor Municipal (PDM) que institui regras para esses empreendimentos, mas que nem sempre são respeitadas e, por falta de estrutura, o poder público não consegue fiscalizar.

Para se proteger, o consumidor deve considerar algumas coisas antes de fechar negócio e desconfiar das propostas milagrosas. Investigar o histórico do responsável pelo loteamento é um primeiro e importante passo. Quantos lotes essa empresa já fez? Entregou? Respeitou o PDM? Faça também pesquisas na internet e tente conversar com quem já é cliente.

Assim como na construção civil vertical, o Espírito Santo tem várias loteadoras sérias e competentes que vêm fazendo um excelente trabalho, entregando o que prometeram, cumprindo o seu papel social de facilitar o acesso de milhares de pessoas à casa própria. Fazendo a escolha por quem é profissional, pode assinar o contrato sem medo. O sonho não vai virar pesadelo.

*O autor é engenheiro civil e empresário do setor de loteamentos

 

A Gazeta integra o

Saiba mais
imóveis Infraestrutura

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.