ASSINE
Planta de pelotização da Samarco, em Ubu, em Anchieta
Planta de pelotização da Samarco, em Ubu, em Anchieta. Crédito: Jefferson Rocio

Samarco renasce cinco anos após tragédia

Retorno das atividades da companhia vão movimentar a economia do Estado e abrir novas oportunidades de negócios em Anchieta

Publicado em 03/12/2020 às 03h00

Após cinco anos parada, a Samarco tem dado início ao processo de retomada. Esse retorno gradual, começando com 26% da capacidade de produção de pelotas, em Anchieta, será de grande relevância para o crescimento do Espírito Santo. Na primeira fase, devem ser produzidas aproximadamente 8 milhões de toneladas por ano, injetando cerca de R$ 80 milhões na economia.

8 milhões de toneladas

PRODUÇÃO ANUAL INICIAL DE PELOTAS

No início de outubro de 2020, a empresa informou que concluiu as ações de manutenção e preparação de ativos que são fundamentais para a operação. A notícia animou o mercado, principalmente pelas boas perspectivas de contratação de fornecedores locais na prestação de serviços para a companhia.

“Além disso, a Usina 4, local onde ocorrerá a transformação da polpa em pelota, nosso principal produto, recebeu atenção especial. Forno, ventiladores e outros ativos passaram por manutenção e estão prontos para voltar a operar”, informou a empresa, por meio de publicação no LinkedIn.

A Samarco, em plena atividade, gerava cerca de 20 mil empregos diretos e indiretos e representava 5% do Produto Interno Bruto (PIB) do Espírito Santo. Com retorno gradual, a estimativa é de que sejam abertos 6 mil postos de trabalho. Isso vai representar 1,7% do PIB capixaba.

“A mineradora está voltando à atividade em um momento muito oportuno, pois a produção e o preço do petróleo caíram. O retorno da mineração ao patamar de anos atrás é importante para o setor extrativo. Além disso, serão abertas muitas oportunidades para trabalhadores e empresas prestadoras de serviços”, destacou o diretor da DVF Consultoria, Durval Vieira.

Diante da expectativa da volta, a Samarco lançou um programa para contratar empresas que possam ser fornecedoras de produtos e serviços para a unidade da mineradora em Anchieta, no Sul do Espírito Santo. Essas empresas serão monitoradas e vão receber treinamentos de qualificação e capacitação.

Em nota enviada à imprensa, a gerente de Suprimentos da Samarco, Ailana Vilela, explicou que a intenção é fomentar o desenvolvimento dos empreendimentos locais e também da cidade.

Ailana Vilela

Gerente de Suprimentos da Samarco

"O Força Local será uma oportunidade para estimular o desenvolvimento local, de alcançarmos novos fornecedores em nossa área de influência direta, mas, principalmente, será uma iniciativa para que o empresário local esteja cada vez mais preparado para atender possíveis demandas da Samarco e de outras empresas por serviços, materiais, equipamentos e insumos"

Para especialistas, somados empregos diretos e indiretos, a retomada das atividades da mineradora no Estado deve promover 5 mil contratações diretas e indiretas. Somente nas atividades de manutenção, neste ano, aproximadamente dois mil empregos foram criados.

Porto de Ubu, da Samarco: área onde minério é escoado até navio para exportação
Porto de Ubu, da Samarco: área onde minério é escoado até navio para exportação. Crédito: Jefferson Rocio

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.